Categoria: Podcast

Hyperledger Besu: como funciona, quais as aplicações e vantagens?

A Hyperledger Besu foi a DLT escolhida pelo Banco Central para o projeto piloto do Drex (também...

21/02/2024

Saiba mais
Regulamentação cripto: o papel da ABCripto no mercado financeiro brasileiro

A ABCripto é uma entidade brasileira fundada em 2018 com o objetivo de unir empresas do...

07/02/2024

Saiba mais
Liqi Crypto: como funciona a solução CaaS da Liqi? com Fábio Santos

No mercado, existem ciclos. Há o momento em que se inicia, até atingir um pico em certo momento...

24/01/2024

Saiba mais
Como o TIDC possibilita a captação de recursos para empresas? com José Alexandre Freitas (OT)

O mercado de capitais tem sido o epicentro das transações financeiras globais, proporcionando o...

17/01/2024

Saiba mais
Como foi elaborada a estrutura jurídica do TIDC? com Erik Oioli (VBSO)

No universo dinâmico do mercado de capitais, surge uma inovação promissora: o Token de...

13/12/2023

Saiba mais
Quais os planos do Itaú para blockchain, tokenização e cripto? Com Guto Antunes

Descubra as iniciativas do Itaú Unibanco em Blockchain e Digital Assets discutidas no último...

22/11/2023

Saiba mais
O que é mineração e como está se expandindo pelo mundo? com Rafaela Romano

Um dos aspectos fundamentais que envolvem o Bitcoin e outras criptomoedas é a mineração, um...

18/10/2023

Saiba mais
Banco Central explica o Real Digital, casos de uso e privacidade | com Fábio Araújo

Fábio Araújo (coordenador da iniciativa do Real Digital no Banco Central) comenta o projeto do...

23/08/2023

Saiba mais
Rolante: como funciona a cidade brasileira que mais aceita Bitcoin no mundo?

Rolante é uma cidade no Rio Grande do Sul com 21 mil habitantes, uma cidade pequena a 100...

26/07/2023

Saiba mais
O que é um TIDC e quais as soluções dos fundos tokenizados?

TIDCs, ou Tokens de Investimento em Direitos Creditórios, podem revolucionar o mercado financeiro...

28/06/2023

Saiba mais

Crie a sua conta.
Leva menos de 2 minutos!

Saiba das novidades cripto antes de todo mundo!

Assine a nossa newsletter semanal e receba todas as atualizações sobre o mercado que nunca para.

A Hyperledger Besu foi a DLT escolhida pelo Banco Central para o projeto piloto do Drex (também chamado de Real Digital).

No mais novo episódio do Talkenização, Samuel Venzi (CTO) e Gustavo Sanches (Diretor de Parcerias) da GoLedger falam sobre, o que é Hyperledger Besu, a diferença entre DLT e blockchain e quais são suas aplicações e vantagens.

A GoLedger é uma empresa especializada em desenvolver Blockchains Privados e Permissionados sob demanda, baseados no framework Hyperledger, um projeto da Linux Foundation.

O que é a Hyperledger Besu?

Na prática, Hyperledger Besu é um Ethereum, a diferença é que na verdade é um Ethereum em que você pode criar a sua própria rede.

Para explicar mais objetivamente, é o que chamamos de um cliente Ethereum. Na verdade, ela nasce da tecnologia do Ethereum, que existe desde 2015, como uma alternativa para conectar-se à rede pública

O nome Hyperledger vem de uma fundação que fomenta projetos em blockchain. E o Hyperledger Besu é a implementação de um nó. Quando você implementa vários desses nós juntos, você sobe uma blockchain

Em relação aos termos, para os convidados, as diferenças entre DLT e Blockchain são mais técnicas, sendo o ponto principal que a Hyperledger Besu vai implementar uma blockchain privada.

Quais os casos de uso da Hyperledger Besu?

Existem vários casos de uso em que você não quer que todas as informações e funcionamentos fiquem disponíveis a todos. É aí que entra a Hyperledger Besu.

Diferentemente do Bitcoin, um caso como o Real Digital não deixa de ser uma moeda do estado que precisa de um regulador e de certo controle. 

Existem diversos casos fora do mercado financeiro também!

Um dos principais exemplos é o supply chain. Você pode utilizar a blockchain para rastreamento de produtos que as empresas não querem que seus concorrentes tenham acesso.

Quando você vai para uma blockchain pública, como a do Bitcoin, os códigos não são modificados. Já no caso da rede Ethereum, mesmo considerada pública, já houveram modificações. 

Na rede privada você precisa que ela atenda a uma série de regras, além de poder gerir a performance de uma forma mais personalizada.

E qual é a melhor? Depende do seu objetivo final e da sua usabilidade. Existem questões também sobre os custos, que são distintos.

Em questão de transparência, estar em uma rede privada, a depender das regras implementadas, não é necessariamente uma limitação para a transparência dessa rede.

Nas redes permissionadas, por exemplo, você tem permissão para estar ou transacionar na rede

Um exemplo de rede pública permissionada é a LACChain, uma rede de projetos para a américa latina. Esses projetos são abertos, você consegue ver o que está lá, mas é necessário um nível de permissão para atuar.

Em quais setores pode ser utilizada?

Há dois principais projetos permissionados da Hyperledger que podem exemplificar os setores em que podem ser utilizados: o Besu e o Fabric. 

São diversos casos de uso imagináveis, como:

  • supply chain
  • registro de documentos, como um cartório digital
  • prontuários médicos eletrônicos para o setor da saúde
  • direitos autorais de músicas e arte
  • gestão e evidências da cadeia de seguros. 

A GoLedger, por exemplo, realizou um projeto junto com a Petrobrás com o desafio de implementar rastreabilidade nas malhas de gás natural do Brasil.

Em soluções corporativas, blockchains e DLTs são espetaculares, com confiabilidade ímpar

Ou seja, muitos casos de uso e setores estão ainda sendo descobertos no mercado e suas vantagens ainda estão sendo notadas pelas empresas.

Por que a Hyperledger Besu foi escolhida para o Drex (Real Digital)?

A partir do projeto do Drex, os bancos que estão no piloto estão utilizando a Hyperledger Besu e, com certeza, mais instituições estão se preparando para essa implementação que vai acontecer e não tem como escapar. 

Ao final do piloto será avaliado se essa plataforma atenderá todos os requisitos necessários pelo Banco Central. 

O regulador está testando a tecnologia com os regulados, o que é importantíssimo para o setor. E muitas empresas já estão olhando para as oportunidades, aprendendo sobre blockchain, tokenização e Hyperledger, para sair na frente.

A nível de piloto, o Drex é uma rede permissionada. Os benefícios do Banco Central para utilizar a Hyperledger Besu envolve também o objetivo de integração com ambientes de DeFi.

Sobre o Besu, o maior ponto negativo, em comparação com a Fabric, por exemplo, é a rigidez. Por vir do modelo público, em certos casos de uso privado acaba sendo mais engessada. 

Em questão de privacidade, a Besu fez a sua versão de privacidade, que é uma camada em cima do que já existia no Ethereum, não está embutida na própria Besu.

Você também pode conferir como será tratada a privacidade e segurança no Drex (Real Digital).

Talvez não exista uma solução plena para o Drex só com o Besu. Parece que alguns players já estão achando caminhos. Tudo isso vamos ver no futuro! 

É importante testar no piloto para definir a necessidade ou não de outra blockchain no projeto.

Confira o episódio completo:

Cadastre-se no site da Liqi e confira as ofertas de Tokens disponíveis e as oportunidades para sua empresa!

Quer ficar por dentro de tudo o que acontece? Siga a Liqi nas redes sociais!

➜ Site: https://www.liqi.com.br

➜ Instagram: https://www.instagram.com/liqibr

➜ YouTube: https://www.youtube.com/@LiqiDigitalAssets

➜ LinkedIn: https://www.linkedin.com/company/liqidigitalassets

➜ Tik Tok: https://www.tiktok.com/@liqibr

➜ Twitter: https://twitter.com/liqibr

➜ Alerta de Tokens: https://lps.liqi.com.br/alerta-de-tokens

➜ Newsletter semanal: https://lps.liqi.com.br/newsletter